30 Aug 2016

Coisas na praia

De vez em quando presenciamos cenas que por um motivo ou outro nos tocam particularmente. Estava um dia destes na praia e um casal ali perto chamou-me a atenção. Ela na casa do quarentas e ele a volta dos 60, provavelmente estrangeiros. Bom, confesso, foi ela que me chamou a atenção, pela idade e por exibir um corpo perfeito, acompanhada de um individuo bem mais velho, o que até aqui, nada de anormal, não fosse a aparente relação entre eles. Durante toda a manhã, ela deitada no seu topless, ele de olhar no vazio, e nunca os vi trocar uma palavra. As tantas ele levanta-se e foi para o pé do mar e ali ficou por muito tempo, ela continuou imperturbável. A hora do almoço fui até à esplanada almoçar e o casal apareceu. Ficaram no passadiço numa obvia discussão em voz baixa. Ele virou-lhe as costas e veio para a esplanada, ela ficou a olhar para ele, e ficou onde estava por largos minutos a olhar o mar e foi quando me apercebi que estava a chorar. Nao gosto de ver pessoas a chorar e a cena perturbou-me imenso. Lá foram a sua vida, ele um metro a frente, ela atras. Não quero fazer juízos nem adivinhar porque situação passará aquele casal, mas aquela cena não me saiu da cabeça por uns dias. Como consegue a vida afastar-nos, criando abismos onde antes havia sintonia, projetos, planos, amor. 

2 comments:

Anonymous said...

... e não é a vida que nos afasta. Amar é uma decisão. Temos de estabelecer bem as prioridades e esforçar-nos (continuamente) por fazer com que o outro se sinta amado por nós. Não é fácil.

Anonymous said...

É inevitável que duas pessoas entrem em conflito mesmo que se amem. Aparentemente foi aplicada a lei do gelo numa primeira fase, o que não resolve o conflito mas o agrava. A tentativa de diálogo virou uma briga.

Uma vez ouvi um conselho: em caso de desacordo, ainda antes de falar sobre o assunto, temos de garantir à outra pessoa que não a deixaremos mesmo que a decisão final seja diferente da nossa opinião.

Pode ser que o casal tenha feito as pazes e não tenha guardado ressentimento, esse sim, o destruidor de qualquer relação entre dois seres humanos.

Luz